3.10.05

FRIBURGO (2)- ALEMANHA

Atendendo à ligeira inclinação de toda a cidade ( 1,5%)o sistema de canais difunde-se com facilidade e em muitas artérias, separa a zona pedonal da zona de transportes públicos. Estes canais, com a largura de 20 a 30 cm e 15 cm de profundidade oferecem a todas as áreas urbanas uma suave sonoridade, tornando-se um elemento atractivo para as crianças.

1.10.05

FRIBURGO - ALEMANHA

- Friburgo é uma pequena cidade fluvial europeia, construída na orla do rio Dreisan,na Alemanha, com séculos de história e tradição. A partir dos anos 60, tem vindo a desenvolver uma política "verde" relativamente ao tráfego automóvel, dando preponderância a outros meios de transporte, tais como eléctricos, bicicletas e claros está aos peões. A "zona histórica" desenvolveu-se através de áreas peonais atractivas. As ruas interiores interligam-se arquitectonicamente mediante um antigo sistema de canais de água, que circulam pelas ruas. O elemento água surge em toda a cidade como algo catalizador que vem valorizar o espaço público.

28.9.05

...e finamente a última sob a escada

Sob a escada...

27.9.05

"O que é uma escada?" "- Bem... serve para subirmos ou descermos de piso !" "-Não é bem . Senão seria apenas um elevador. Uma escada é diferente de um elevador .Um elevador faz-nos deslocar de nível mas só verticalmente. A escada desloca-nos também na horizontal. E isso pode ter imensas soluções na Arquitectura. "

26.9.05

Escada

Uma escada pode não ser sòmente isso....

25.9.05

As características dos pavimentos dos espaços pedonais são importantes para o tipo de actividades que aí se poderão desenrolar. Aqui, junto à Casa da Música é o paraíso dos "skater".!!

espaço envolvente da Casa da Música

Espaço aberto - Casa da Música

No passado sábado , 24 de Setembro, o espaço envolvente à Casa da Música, serviu como espaço público multifuncional num exemplo vivo do que pode oferecer um espaço pedonal. Dança, demonstrações de Skate, pintura de grafiti, etc., foram algumas actividades que deram uma dinamica urbana a esta zona da cidade. E sem grandes custos ou organizações pesadas.

15.9.05

Pr.Luís Ribeiro - S.João da Madeira

A notícia dada pela Câmara Municipal, anunciando que iriam circular autocarros na zona pedonal é entendida como preocupante e negativa para a qualidade e segurança destas ruas e praça. É muito importante que S. João da Madeira tenha a sua rede de transportes públicos, dimensionada à escala da cidade, mas que mantenha a qualidade urbana conseguida com a zona pedonal. A Praça Luís Ribeiro e todas as ruas pedonais adjacentes, representam hoje, por excelência, zona de saudável vitalidade urbana de S. João da Madeira, invejada ou copiada pelos concelhos vizinhos. Esta zona é já há alguns anos um local de reunião da população, tornando-se simultaneamente palco de concertos, teatros, exposições de automóveis, eventos de toda a espécie. Com efeito algumas lojas tiveram que se renovar e revitalizar para corresponder a este novo tipo de utilização urbana. Surgiram novos bares que vieram a emprestar nova vida às noites da cidade, e muitas lojas tiveram que mudar de ramo para se adaptarem à nova realidade. Esta zona da cidade de S. João da Madeira está pois à altura de remodelações urbanas europeias no que toca à reutilização do seu espaço urbano. Faltou no entanto o aparcamento automóvel ( recém –chegado) ou a devida sustentabilidade deste tipo de zona com transporte alternativos público ou privados. Exagerou-se no apetrechamento urbano de várias artérias, com chapéus de vidro e escadarias escusadas especialmente na Rua da Liberdade, mas o que parece ser certo é que a sua utilização por parte dos peões é reconfortante e aprazível pelo que deve ser defendida e salvaguardada. Há pois que preservar o nível conseguido, corrigi-lo porventura, e dar-lhe mais qualidade. Mas acima de tudo é importante não recuar no tempo, ou seja deixar que o tráfego automóvel se apodere lentamente do espaço dos peões. A notícia dada pela Câmara Municipal, anunciando que iriam circular autocarros na zona pedonal é entendida como preocupante e negativa para a qualidade e segurança deste espaço urbano de S. João da Madeira. Até porque as áreas convertidas em zona pedonal e respectivos pavimentos, não foram preparados para transitarem automóveis quanto mais autocarros. Destaque-se ainda o facto do trânsito ( e aparcamento) automóvel tem vindo a ganhar terreno às áreas pedonais . É a qualidade de vida que está ameaçada no centro de S. João da Madeira. B -Transporte público é urgente, mas … É muito importante que S. João da Madeira tenha a sua rede de transportes públicos, dimensionada à escala da cidade, mas que se mantenha a qualidade urbana conseguida. Até porque se houver a intenção de criar outras zonas pedonais, noutras partes da cidade, (o que seria muito positivo) é indispensável a criação de novos meios de transporte alternativos ao automóvel. A recente crise do petróleo irá concerteza acelerar este processo. Para S. João da Madeira o autocarro de tamanho médio, à semelhança dos que circulam em Matosinhos, seria muito benéfico para o deslocamento das populações e consequente redução do tráfego automóvel. Seria um passo de gigante no melhoramento da qualidade de vida, desta cidade. Obrigaria ainda a um lento processo de educação e de costumes da população que circula nesta cidade. Contudo, os itinerários dos veículos públicos não precisam que se sobreponham às Zonas pedonais, podendo perfeitamente ser adjacentes. Existem várias possibilidades dos autocarros circularem perto das áreas pedonais. Afinal de contas não será necessário levar os “clientes” às portas das lojas para que as mesmas tenham mais sucesso, pondo em perigo as pessoas que aí circulam descontraidamente e livremente. É preciso pois, salvaguardar a máxima segurança e qualidade das ruas e praça pedonais de S. João da Madeira, e para tal é indispensável disciplinar o trânsito automóvel que ultimamente tem vindo a ganhar terreno às áreas pedonais ( PSP + Câmara Municipal) .

Área pedonal de S. João da Madeira passa a ter autocarros !